Exercício Físico no Cancro Infantil

Segundo a International Agency for Research on Cancer (IARC) a prevalência de casos de cancro infantil tem vindo a aumentar nas últimas décadas. Em todo o mundo, cerca de 215 mil casos de cancro infantil são diagnosticados anualmente em menores de 15 anos e, aproximadamente 85 mil casos de cancro em indivíduos com idade entre 15 e 19 anos.

O cancro infanto-juvenil possui uma apresentação clínica e histológica diferente do dos adultos e as suas causas ainda não são bem definidas. Entre os sinais e sintomas, podemos identificar os nódulos típicos, a palidez, a fraqueza generalizada, a dor progressiva, a febre, a alteração de visão e a perda de apetite.

Os tipos de cancro mais comuns nessa faixa etária são as leucemias, que representam a maior percentagem de incidência (26%), seguidas dos linfomas (14%) e tumores do sistema nervoso central (13%). A leucemia linfoblástica aguda é a forma mais comum de malignidade na infância, representa cerca de 30% dos casos de cancro em crianças com menos de 15 anos de idade.

A evolução do tratamento, contribui para a alta taxa de sobrevivência (70%) de crianças durante a terapêutica sendo a taxa de mortalidade depende do desenvolvimento da doença, da idade da criança e da resposta inicial ao tratamento.

No entanto, existem diversos efeitos colaterais provenientes dos tratamentos. A curto prazo, os efeitos colaterais são muito similares aos dos adultos, com surgimento de náuseas, vómitos e predisposição a outras infeções. A médio e longo prazo, podem influenciar o desenvolvimento motor, o crescimento, o desempenho músculo-esquelético, funcional e a qualidade de vida.

As limitações causadas pela doença e pelos tratamentos afetam diretamente os níveis de atividade física dos pacientes, provocando uma diminuição da capacidade física, nomeadamente da capacidade aeróbia e força muscular.

O exercício físico está associado à melhoria dos aspetos psicológicos, fisiológicos e físicos. Alguns estudos demonstram que o exercício físico hospitalar/domiciliar proporciona benefícios sobre a força muscular, a aptidão física e a funcionalidade, e que o mesmo é seguro para o paciente.

Desta forma, torna-se importante promover e incentivar a prática de exercício nestas crianças e adolescentes de forma a atenuar os efeitos colaterais provocados pela doença e os tratamentos associados.

Fonte: Santos et al. (2021)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: